sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Bebês podem tomar suco?

Sim, mas somente após o primeiro ano de vida, segundo recomenda o Manual de nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria


Após o período de amamentação exclusiva, que vai até o sexto mês de vida, começa a introdução de outros tipos de alimentos na dieta do bebê. E ainda é praxe em muitos consultórios pediátricos a orientação do suco de frutas como uma das refeições da criança. Segundo o manual de orientação do departamento de nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, os sucos naturais devem ser evitados até o bebê completar 1 ano. No entanto, não se trata de uma proibição. Conforme o manual, “se forem administrados, que sejam dados no copo, de preferência após as refeições principais, e não em substituição a estas, em dose máxima de 100 ml/dia, com a finalidade de melhorar a absorção do ferro presente nos alimentos como feijão e folhas verde-escuras”.

Até recentemente, indicava-se o suco a partir do 6º mês como uma das formas de consumir fruta. “Com essa epidemia de obesidade infantil, a nutrição começou a estudar o assunto e identificou um exagero na quantidade ofertada”, explica a médica pediatra Renata Rodrigues Aniceto, da Pueri Nutri Consultoria e Assessoria em Nutrição Infantil (SP). “Temos de considerar que, para preparar um suco de laranja, são necessárias duas ou três unidades. Mesmo sendo fruta, que é algo natural, possui o açúcar próprio (frutose) e o excesso pode sobrecarregar o pâncreas, responsável pela produção de insulina. Se o órgão ficar debilitado, pode até provocar a diabete tipo 2 em fases precoces da vida.”

Além disso, vale destacar que a fruta em forma de suco desperdiça a fibra, pois é descartada na preparação. Por isso, a partir do 6º mês de vida, a papa de fruta é a melhor pedida para o consumo e a medida são duas papas por dia. “Quando o bebê completar 1 ano, aí sim é indicada a medida de 100 ml a 150 ml por dia até os 2 anos”, diz Renata. E vale lembrar que nada precisa ser adoçado, porque a fruta já é doce.


Fonte: revista Crescer

Nenhum comentário:

Postar um comentário