segunda-feira, 24 de julho de 2017

Milk bath: entenda o que é a tendência seguida por Karina Bacchi em seu ensaio de gestante

A atriz foi clicada pelo fotógrafo Leo Mayrinck, em Miami. Confira as fotos:

Karina Bacchi em ensaio Milk Bath (Foto: Leo Mayrinck/Instagram)
A atriz Karina Bacchi, que está grávida de seu primeiro filho, um menino, quis registrar o barrigão seguindo a última tendência dos ensaios de gestante: o milk bath, ou banho de leite, em tradução livre. É literal: a grávida posa em uma banheira cheia de leite em pó e água, geralmente com pétalas de rosas e ervas aromáticas.

Karina está nos Estados Unidos, onde seu filho deve nascer, e foi clicada pelo fotógrafo Leo Mayrinck, no Ritz Carlton, de Miami, na Flórida. Ela declarou recentemente que pretende que o filho tenha a cidadania americana para ter mais oportunidade no futuro.

Karina Bacchi em ensaio Milk Bath (Foto: Leo Mayrinck/Instagram)

Karina Bacchi em ensaio Milk Bath (Foto: Leo Mayrinck/Instagram)
Karina Bacchi em ensaio Milk Bath (Foto: Leo Mayrinck/Instagram)


Fonte: http://revistacrescer.globo.com


sexta-feira, 21 de julho de 2017

Desfralde: 6 estratégias certeiras

(Foto: Bruno Marçal / Editora Globo)

Nunca é possível ter 100% de certeza de que é a hora certa de começar o processo de desfralde, mas dá para ficar atento a alguns sinais e observar como a criança vai respondendo à ideia de ficar sem a fralda. Se seu filho está nessa fase, confira alguns truques indispensáveis para facilitar o desafio: 

1. Não brigue
Nem ameace ou reprima a criança caso ela deixe escapar. Acidentes acontecem e fazem parte do processo. 

2. Mostre como se faz
Ao levar seu filho ao banheiro com você, ele observa todo o ritual envolvido no processo da forma mais natural possível. Aproveite para explicar de um jeito compreensível para a criança que o corpo produz o cocô e o xixi a partir do que comemos e bebemos. E, quando sentimentos que a barriga está cheia, é hora de fazer uma visita ao trono. 

3. Invista na diversão
Deixe a criança levar para o banheiro algum brinquedo ou eleja um livro especial para o momento. Se ela sentir que não está perdendo a brincadeira por ter que usar o vaso, fica mais fácil

4. Dê adeus!
Se despedir do cocô ou do xixi é significativo para o seu filho. Por mais escatológico que pareça, os excrementos representam algo que a criança produz por conta própria e, algumas vezes, se desapegar deles pode não ser tão simples para ela. Ao dar tchau, você prestigia a "produção" do seu filho, mas deixa claro que é algo que deve ser descartado. 

5. Tenha paciência
Essa é a palavra-chave de toda a jornada. Quanto mais ansioso seu filho perceber que você está, mais inquieto - e inseguro! - ele vai se sentir. 

6. Cuidado com as palavras
"Eca!", "Que nojo", "Olha o cheiro" são expressões que não deixam a criança nem um pouco à vontade. Pelo contrário: podem fazer com que ela sinta repulsa pelo xixi e pelo cocô, atrapalhando a eliminação. 

Fonte: revista Crescer

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Os benefícios da ioga para gestantes


A ansiedade faz parte da gestação. A futura mãe está aguardando a chegada do bebê, superando o medo do parto e se preparando para o desafio de cuidar e educar um filho. Embora essas sensações sejam consideradas normais, estudos indicam que o nascimento prematuro, o baixo peso ao nascer e problemas de desenvolvimento na infância podem estar ligados ao excesso de estresse na gravidez.

A boa notícia é que um estudo realizado pelo Centro de Investigação em Saúde Fetal da Universidade de Manchester, no Reino Unido, em 2013, comprovou que a ioga pode ajudar a amenizar esse sintoma.
Para chegar a esse resultado, os pesquisadores dividiram 59 mulheres grávidas do primeiro filho em dois grupos distintos: um deles praticou o exercício durante oito semanas e o outro não. Durante esse período, as gestantes responderam a questionários sobre o estado emocional que se encontravam. Ao final, após a análise das respostas, os pesquisadores calcularam que uma única aula reduziu os níveis de hormônios do estresse em 14%. Isso acontece porque as atividades relaxam o corpo e fazem o cérebro liberar a serotonina, o hormônio do prazer.

Para a professora e especialista em ioga para gestantes Kátia Barga, de São Paulo, a prática também estreita o vínculo entre mãe e filho. “Durante as aulas, a mulher reflete sobre a gestação e compreende as mudanças no corpo, o que a deixa mais segura”, complementa Kátia.

Além da melhora no equilíbrio mental, a atividade também estimula a flexibilidade corporal e ajuda a gestante a manter uma boa postura, prevenindo as dores nas costas. Também prepara o assoalho pélvico - músculos localizados na região entre as pernas que ajudam a controlar o ânus, a vagina e a uretra - para o parto normal.

De acordo com a ginecologista e obstetra Karen Camarotto, do Hospital Pérola Byington, de São Paulo, a ioga aumenta a circulação sanguínea, diminuindo o inchaço tão comum no fim da gestação. Como os exercícios de respiração fazem com que o coração bata mais depressa, os rins também passam a funcionar mais rápido, minimizando a retenção de líquido, que provoca o inchaço. Esse aprendizado também vai ajudá-la durante o parto.

Mesmo com o equilíbrio alterado durante a gestante, é possível praticar a atividade sem dificuldade, seguindo sempre as orientações do profissional, que deve ser especializado em gestantes, e ter o aval do obstetra antes de tudo. Segundo Kátia, algumas posições são proibidas: de barriga para baixo e as invertidas – quando a grávida fica de cabeça para baixo. “Na primeira, a pressão no abdômen é muito grande e a segunda pode prejudicar a oxigenação do bebê”, afirma a especialista.

Para alcançar os benefícios da ioga, é necessário regularidade nas aulas. Kátia aconselha que a gestante faça a atividade, no mínimo, duas vezes por semana. Se a gestante já praticava os exercícios antes de engravidar, ela pode começar já no primeiro mês de gestação. Caso contrário, é mais indicado iniciar após o terceiro mês. Não há limite para parar com os exercícios durante a gravidez. O mais importante é sentir-se bem nas posições e, claro, sempre conversar com o seu obstetra.

Após o nascimento do bebê, vale a pena continuar o exercício. Apesar de não ajudar na perda de peso, por ser uma atividade de baixo impacto, a ioga relaxa e proporciona bem estar. Se você fez cesárea, deve esperar 40 dias para iniciar as aulas – por conta da cicatrização. Se o parto foi normal, já dá para voltar às atividades após 15 dias. E aí, preparada?

Fonte: revista Crescer