sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Brasil reduz em 73% mortalidade de crianças menores de 5 anos

45% das mortes de crianças menores do que cinco anos ocorrem nos primeiros 28 dias de vida (Foto: Thinkstock)
O Brasil conseguiu cumprir um dos objetivos de desenvolvimento do milênio propostos pela Unicef e reduziu em mais de dois terços a taxa de mortalidade infantil de crianças menores que 5 anos entre 1990 e 2015, segundo relatório disponibilizado pelo órgão nesta quarta (9). O índice de mortes no país para menores de 5 anos é de 16 a cada 1.000, 73% menor do que em 1990.

O relatório Uma Promessa Renovada: Relatório 2015, que analisa os dados mundiais relativos à mortalidade na infância, aponta, porém, que os avanços entre as regiões do país se deram de maneira muito desigual. Dos 5.500 municípios brasileiros analisados pelo órgão, aproximadamente 1.000 tem 5 ou menos mortes a cada 1.000 nascidos vivos. Esse índice é um dos melhores do mundo.

Porém, 32 municípios ainda têm, em 2015, uma taxa de 80 mortes de crianças menores que 5 anos entre 1.000 nascidos vivos. “Se esses municípios fossem tratados como um país, eles estariam entre os 30 piores em relação à mortalidade de crianças menores de 5 anos”, lê-se no relatório. “Para eliminar essas desigualdades serão necessários maiores níveis de comprometimento político e investimento sustentáveis em produção de dados.”

O relatório aponta que as crianças indígenas brasileiras são as que se encontram em situação mais frágil. Elas têm duas vezes mais risco de morrer antes de completar 1 ano do que as demais crianças brasileiras. As principais causas de morte entre elas estão relacionadas à desnutrição, diarreia, infecções respiratórias e malária. Além disso, entre as  indígenas que residem na Região Norte, o percentual de desnutrição crônica chega a 40%, enquanto a prevalência média no país é de 7%.

O número de crianças que morrem por causas evitáveis antes de completar 5 anos chega hoje a 5,9 milhões por ano, 53% menos do que em 1990. Entre 2000 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos no mundo foi reduzida em média 3,9% a cada ano. Essa taxa mais que dobrou em relação àquela verificadas nos anos 90.

Apesar dos avanços, o mundo não alcançou a meta do objetivos do milênio de reduzir em 2/3 a mortalidade de crianças menores de 5 anos. De acordo com a Unicef, entre as principais causas de morte de crianças dessa faixa etária estão a prematuridade, a pneumonia, complicações durante o parto e nascimento, diarreia e malária. A desnutrição é responsável por pelo menos metade dessas mortes.

Fonte: http://revistacrescer.globo.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário