sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

5 coisas que as meninas gostariam que suas mães soubessem

O que você pode – ou não – transmitir à sua filha com simples gestos do dia a dia



1) Eu conheço o mundo através de você.
É por meio dos olhos, do cheiro e até mesmo do gosto da mãe (considerando o leite materno) que o bebê faz o primeiro contato, digamos assim, com o mundo que o cerca. À medida que ele cresce e tem início a construção de sua personalidade, a mãe se torna, também, a primeira referência feminina. A influência, obviamente, é mais forte no caso das meninas, que um dia também serão mulheres. Uma prova disso é que, mesmo quando não queremos, acabamos nos portando como nossas mães!

2) Ame a si mesmo, para eu aprender a me amar também. 
As crianças copiam os pais o tempo inteiro, afinal, elas aprendem pelo exemplo. Desde pequena, sua filha vai querer vestir os seus sapatos, usar o seu celular, passar a sua maquiagem. Da mesma forma, é no dia a dia que os valores são transmitidos. Entre eles, está o amor próprio, ou seja, a capacidade de valorizar a si mesmo, compreendendo os nossos defeitos e qualidades. Ao negar um relacionamento onde é menosprezada, por exemplo, você estará transmitindo a sua filha a mensagem de que se respeita – algo que ela também vai copiar no futuro.

3) Eu me confundo quando você diz uma coisa e faz outra.
Quando o discurso é incoerente com as ações, não espere que a sua filha siga, tranquilamente e sem questionar, aquilo que você diz ser o correto. Ou seja, não adianta falar uma coisa e fazer outra – dizer que é feio mentir e, na frente dela, inventar uma desculpa para a amiga ao telefone, por exemplo. Ou, então, mandar a criança ser educada – e sequer cumprimentar o porteiro. Ainda que não seja preciso levar tudo ao pé da letra (afinal, quem nunca omitiu que detestava brócolis para evitar reclamações à mesa), o jeito mais eficiente de educar é com clareza.

4) Eu enxergo as coisas por outro ângulo. Literalmente.
OK, nem sempre dá para andar devagar ou parar no meio do caminho para observar uma joaninha na calçada. Para as crianças, até por conta da altura, é fácil apreciar alguns detalhes que os adultos não enxergam mais. Em vez de brigar e dizer que está com pressa, que tal curtir o momento para relembrar a criança que já foi um dia?

5) Quando você menos esperar, já serei grande. 
Vai passar voando. Todas as suas amigas repetiram essa frase quando você estava grávida – e elas tinham razão, certo? A infância é uma parte curta da existência, considerando-se que a expectativa de vida da população mais do que dobrou em um século*. Então, será mesmo que a sua filha precisa usar salto agora? Deixe-a ser criança e aproveite para desacelerar um pouco – na medida do possível! – para estar por perto enquanto ela ainda precisa de você.

Fonte: Rita Callegari, psicóloga do Hospital São Camilo (SP);
*Laboratório de Demografia e Estudos Populacionais do Departamento de Geociências da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG)


Fonte: revista crescer

Nenhum comentário:

Postar um comentário