sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Ar-condicionado, ventilador e umidificador: eles fazem mal?

Com as altas temperaturas que têm feito em alguns estados brasileiros – junto com a baixa umidade do ar –, esses aparelhos se tornam quase uso obrigatório. Mas é preciso tomar alguns cuidados


O verão está cada vez mais próximo e as temperaturas já começaram a subir em diversas regiões do país. Ao mesmo tempo, alguns estados, sobretudo na região sudeste e sul, enfrentam um dos piores períodos de estiagem da história. Resultado: o nível de umidade do ar despencou. Nesta semana, em São Paulo, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou o valor de umidade relativa do ar de 18%, o menor índice do ano. Minas Gerais não fica atrás, com termômetros chegando aos 35°C e a umidade abaixo dos 20%. Como ainda não se sabe ao certo quando as chuvas virão, a previsão é de que, nesses estados, e também em Goiás e Mato Grosso, a umidade possa cair ainda mais e chegar a menos de 15%, um número alarmante. Como referência, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera ideal que esse índice esteja pelo menos em 60%. Abaixo de 30%, considera-se estado de atenção e entre 19% e 12%, alerta.

Para ajudar a amenizar os efeitos do calor e da secura do ar, que incluem ressecamento das mucosas, dor de cabeça, garganta seca e até sangramentos no nariz, é natural recorrer a aparelhos de ar-condicionado, ventiladores e umidificadores. Em uma enquete realizada no site CRESCER, 70% dos pais disseram que usam ar-condicionado no carro e em casa, constantemente. Mas será que há problema? Confira o que dizem os especialistas!

AR-CONDICIONADO
A principal vantagem é controlar a temperatura do ambiente. E o principal problema é o ressecamento do ar, que piora consideravelmente a situação de crianças alérgicas, com rinite ou asma. “Todo mundo pode sentir o nariz ressecado ou a garganta ruim por causa do ar condicionado. Mas, para os alérgicos, o prejuízo é bem maior”, explica a pneumologista Beatriz Barbisan, da Escola Paulista de Medicina (Unifesp).

Por isso, nas condições atuais de tempo seco, vale usar de artifícios enquanto o aparelho estiver ligado. Umidificador, bacia d’água ou uma toalha molhada já melhoram a qualidade do ar em casa. Outro cuidado a ser tomado diz respeito à temperatura. A recomendação é ajustá-la entre os 23°C e os 27°C, no máximo. É bom lembrar que, para crianças alérgicas, inalar o ar frio é tão prejudicial quanto a falta de umidade e pode desencadear crises respiratórias. Cuidando da temperatura também não há risco de choque térmico.

E acredite: se as condições de umidade estiverem boas e o ar condicionado for devidamente higienizado e tiver um bom filtro, o aparelho pode até contribuir para a diminuição das alergias. “Alguns aparelhos filtram até 80% das partículas com bactérias e fungos, prevenindo que as crianças estejam expostas a esses alérgenos”, diz a pneumologista Regina Terse, do Departamento de Pneumologia da Sociedade Brasileira de Pediatria. Por esse motivo, é essencial que a limpeza do filtro seja feita de acordo com as recomendações de cada fabricante. No geral, o aparelho deve passar por uma revisão uma vez ao ano.

No carro, ele também pode ser usado, desde que as saídas não estejam diretamente apontadas para o rosto das crianças. “Carros melhores e mais novos costumam ter aparelhos de ar condicionado mais potentes, à base de carvão ativado”, explica Regina. Além de regular a temperatura para que fique agradável, e não gelada, é importante trocar o filtro do ar condicionado a cada 10 mil km.

VENTILADOR
 O princípio do ventilador é colocar o ar em movimento, criando uma corrente que refresca o ambiente. Mas imagine o que acontece quando se liga o aparelho em uma sala cheia de poeira, com mofos nas paredes e sem incidência de sol. Exato: todas as partículas alergênicas da sujeira, fungos e bactérias ficam circulando no ambiente, o que pode ser seriamente prejudicial a crianças alérgicas.

Por isso, é imprescindível manter o ambiente sempre limpo. Além disso, o ventilador também precisa ser higienizado, prestando atenção especial às hélices, onde a poeira se deposita. Principalmente no caso dos ventiladores de teto, em que elas ficam fora do campo de visão, é preciso ficar atento.

Lembre-se também de nunca deixar que a corrente de ar incida diretamente na criança, o que pode aumentar o ressecamento das mucosas. Ventiladores de teto devem sempre ser utilizados no modo exaustor, no qual o ar é direcionado para cima, e ventiladores móveis têm de estar posicionados de frente para a parede: assim, o ar bate e volta, e não fica direto no seu filho.

Quem leva a melhor?

Não há um consenso sobre o que é melhor: ar condicionado ou ventilador. Enquanto o primeiro provoca um ressecamento maior, o segundo gera uma corrente de ar, que pode fazer partículas alergênicas circularem pelo ambiente. “O fundamental é a percepção individual: os pais precisam estar atentos aos limites de cada criança em especial”, explica Regina. Em outras palavras, só você vai saber o que é melhor para amenizar o calor na sua casa. Se o frio do ar condicionado faz a criança espirrar muito, opte pelo ventilador. Com todas as precauções, ambos os aparelhos podem ser usados até para bebês.

UMIDIFICADOR

Normalmente, a única contraindicação aos umidificadores é a possibilidade de deixar o ar úmido demais, cenário ideal para a proliferação de fungos e bactérias – em geral, quando o aparelho fica ligado durante muito tempo. “Na situação atual, em que a umidade do ar está extremamente baixa, não há problema em dormir a noite toda com o umidificador ligado, desde que o ambiente seja bem higienizado e haja circulação de ar”, explica Beatriz.

 Apesar do preço do aparelho não ser acessível a muitas famílias, há outras alternativas que funcionam bem para elevar a umidade do ar, como pendurar toalhas molhadas e usar bacias com água. Nesse último caso, por questão de segurança, é preciso ficar atento ao local onde a bacia será colocada: sempre longe do alcance das crianças.

No entanto, manter apenas o ambiente com uma boa umidade não basta. “O fundamental é que as mucosas estejam umedecidas. Para isso, o corpo deve estar bem hidratado. O ar sempre chega ao pulmão úmido se existe uma hidratação adequada das mucosas”, explica Beatriz. Assim, ofereça bastante água fresca ao seu filho e use soro para combater o ressecamento no nariz.


Fonte:http://revistacrescer.globo.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário